FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA: ANÁLISE DAS CONCEPÇÕES DOCENTES SOBRE APRENDIZAGEM

Carla Melo da Silva, Fabiana Pauletti, Marcelo Prado Amaral-Rosa

Resumo


Essa investigação tem por objetivo analisar o que as narrativas apontam como concepções de aprendizagem de professores da área das ciências da natureza, nos componentes curriculares de química e biologia e na área de matemática. Esse estudo deriva de narrativas escritas de professores de Ciências da Natureza e Matemática, do ensino médio, provenientes de atividades de formação continuada em escolas públicas da região metropolitana de Porto Alegre/RS, no ano de 2017. Para a escrita das narrativas foi solicitado aos professores participantes: Narre suas concepções sobre o que é aprender e como ocorre as aprendizagens dos estudantes. O problema de investigação é: De que modo os professores de ciências da natureza e matemática compreendem a aprendizagem dos estudantes de ensino médio? A metodologia utilizada para análise dos dados é análise narrativa, tendo como pilar teórico a filosofia hermenêutica e suas relações com a educação. A presente investigação aponta como resultados a necessidade de dar significados e sentidos as aprendizagens que se propõe, e de modo especial, as mudanças metodológicas que contemplem os reais interesses dos estudantes. Por fim, verificou-se que os professores participantes desse estudo apresentam concepções atuais sobre o aprender. Suas narrativas demonstram que compreendem a aprendizagem como algo a ser partilhado e construído.


Palavras-chave


de professores. Concepções de Aprendizagem. Análise Narrativa.

Referências


ABRAHÃO, M. H. M. B.; PASSEGGI, M. As narrativas de formação, a teoria do professor reflexivo e a autorregulação da aprendizagem: uma possível aproximação. In: SIMÃO, A. M. V.; FRISON, L. M. B.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (org.). Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas. Natal: EDUFRN: Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012. p. 53-71.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988. atual. 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. atual. 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 2019.

BRUNNER, J. Construção narrativa da realidade. Critical Inquiry, Chicago, v. 18, n. 1, p. 1-21, 1991.

COLL, C.; SOLÉ, I. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, C. (col.). O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1998.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para UNESCO – Comissão Internacional para século XXI. São Paulo: Cortez, 1988.

FABELA, S. A vida toda para aprender. Psicologia.pt, Porto, p. 1-27, 2006. Disponível em: http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0321.pdf. Acesso em: 6 ago. 2019.

FERRAÇO, C. E. Eu, caçador de mim. In: GARCIA, R. L. (org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

FERRAÇO, C. E.; ALVES, N. As pesquisas com os cotidianos das escolas: pistas para se pensara potência das imagens narrativas na invenção dos currículos e da formação. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 8, n. 3, p. 306-316, set./dez. 2015.

FRANCO, M. A. S. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, 2015.

GACKI, S. R. S. Possibilidade do diálogo hermenêutico para a educação: primazia da pergunta e filosofia prática. In: PICHLER, N. A.; TESTA, E. (org.). Epistemologia, ética e hermenêutica. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2005.

GADAMER, H. G. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 8. ed. Petrópolis: Rio de Janeiro, 2007.

GALIAZZI, M. C. et al. (org.). Indagações dialógicas com Gordon Wells. Tradução e organização do Grupo de Pesquisa Comunidades Aprendentes em Educação Ambiental, Ciências e Matemática. Rio Grande: Ed. FURG, 2016.

HERMANN, N. Hermenêutica e educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF , 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: linha de base. Brasília, DF, 2015.

MORAES, R. É possível ser construtivista no ensino de ciências? In: MORAES, R. (col.). Construtivismo no ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

SILVA, A. L.; SIMÃO, A. M. V.; SÁ, I. A auto regulação da aprendizagem: Estudos Teóricos e Empíricos. Intermeio: Revista do Mestrado em Educação, Campo Grande, v. 10, n. 19, p. 58-74, 2004.

SOUSA, M. G. S.; CABRAL, C. L. O. A narrativa como opção metodológica de pesquisa e formação de professores. Horizontes, Itatiba, v. 33, n. 2, p.149-158, 2015.

SÜSSEKIND, M. L.; LONTRA, V. Narrativas como travessias curriculares sobre alguns usos de pesquisa na formação de professores. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 87-108, 2016.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons