LEGISLAÇÕES E POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR E A HISTORIOGRAFIA: UM ESTUDO COMPARADO INTERNACIONAL

Júnio Hora, Edson Pantaleão

Resumo


O texto tem como proposta analisar processos desencadeados pelas políticas públicas de entrada, permanência e conclusão, para estudantes público-alvo da Educação Especial no Ensino Superior, em contexto latino-americano, em estudo comparado entre o México e o Brasil. Destacamos o período de 1988 a 2018 como recorte temporal, configurando as três últimas décadas, marcadas por reformas educacionais nos dois países. Metodologicamente fizemos estudo histórico-documental das legislações que compuseram as políticas públicas no período em destaque, onde promovemos um levantamento acerca das tensões nas legislações e como elas foram aplicadas em dois contextos universitários: Universidad Veracruzana (México) e Universidade Federal do Espírito Santo (Brasil). A perspectiva teórica que sustenta o estudo fundamenta-se na teoria dos Processos Civilizatórios elaborada por Norbert Elias (1993; 1998; 2001; 2006 e 2011). Num fluxo histórico de longa duração, Elias analisa os Processos Civilizadores destacando que as sociedades se constituem no conjunto das relações entre indivíduos e grupos sociais, cujos processos de interdependência formam figurações humanas em paralelo ao Estado. Estas vivenciam as transformações históricas nas diferentes sociedades interdependentes entre si. Os dados da pesquisa evidenciam preponderante na balança de poder para a concretização das políticas públicas nas universidades estudadas. Ao mesmo tempo, os Estados mexicano e brasileiro não conseguiram ofertar condições concretas para romper com essa fragilidade, e assegurar à Educação Especial um lugar estável no Ensino Superior, e por isso as legislações e políticas públicas precisam ser constantemente revistas. Ainda assim, esses Processos Sociais contribuem para o fluxo contínuo do Processo Civilizador das sociedades ocidentais.

Palavras-chave


Educação Especial; Ensino Superior; Política Educacional; Estudo Comparado; História da Educação

Referências


BACELLAR, Carlos. Uso e mau uso dos arquivos. In: PINSKY, Carla Bassanezi. Fontes históricas. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

BARROS, José D’Assunção. O campo da história: especialidades e abordagens. 7. ed. São Paulo: Ática, 2010.

BRASIL. Senado Federal. Documento Orientador do Programa Incluir: acessibilidade na educação superior. Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao. Acesso em: 2016

BRUNNER, José Joaquín; VILLALOBOS, Cristóbal. (ed.). Políticas de Educación Superior en Iberoamérica. Santiago: Universidad Diego Portales, 2014.

CARVALHO, Elma Julia Gonçalves de. Estudos comparados em educação: novos enfoques teórico-metodológicos. Acta Scientiarum: Education, Maringá, v. 36, n. 1, p. 129-141, jan./jun. 2014.

DUSSEL, Enrique. Vivemos uma primavera política. Captura Críptica: direito, política, atualidade, Florianópolis , n. 2, v. 1, p. 611-629, jul./dez. 2009.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Tradução de Ruy Jugmann. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. v. 2.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Organizado por Michael Schreter. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

ELIAS, Norbert. Escritos e ensaios: estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jugmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. v. 1.

FERREIRA, Suely; OLIVEIRA, João Ferreira de. As influências da reformada educação superior no Brasil e na União Europeia nos papéis sociais das universidades. In: OLIVEIRA, João Ferreira de. (org.). O campo universitário no Brasil: políticas, ações e processos de reconfiguração. Campinas: Mercado das Letras, 2011.

FRANCO, Maria Ciavatta. Estudos comparados em educação na América Latina: uma discussão teórico-metodológica a partir da questão do outro. In: FRANCO, Maria Ciavatta. (org.). Estudos comparados e educação na América Latina. São Paulo: Cortez, 1992.

FRANCO, Marco Antonio Melo. O discurso médico e a prática pedagógica no ensino da criança com paralisia cerebral: a importância de se retomar o diálogo entre saúde e educação para a constituição de novas práticas. Paidéia, Belo Horizonte, ano 9, n. 13, p. 157-178, jul./dez. 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 49. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HOBSBAWN, Eric. Sobre história. Tradução de Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

KENT, Rollin. Las politicas de evaluacion. In: KENT, Rollin (comp.). Los temas críticos de la educación superior en América Latina en los años noventa: estudios comparativos. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 2002.

LIMA, Licínio C.; AFONSO, Almerindo Janela. Democratização, modernização, neoliberalismo. Porto: Afrontamento, 2002.

MÉXICO. Cámara de Diputados Federales. Programa Nacional para el Desarrollo y la Inclusión de las Personas con Discapacidad – 2014/2018. Ciudad de México, 2013.

MÉXICO. Cámara de Diputados. Ciudad de México, 2015. Disponível em: http://www.diputados.gob.mx/LeyesBiblio/abroga.htm. Acesso em: 2016.

MOTZKIN, Gabriel. A instituição de Koselleck acerca do tempo na história. In: JASMIM, Marcelo Gantus; FERES JÚNIOR, João. História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: PUC-Rio: Loyola: IUPERJ, 2006.

ROSA, Chaiane de Medeiros. Marcos legais e a educação superior no século XXI. REVEDUC: Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 8, n. 3, p. 236-250, 2014. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/1029/369. Acesso em: 10 set. 2016.

VIEIRA, Maria do Pilar de Araújo; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha; KHOURY, Yara Maria Aun. A pesquisa em história. 5. ed. São Paulo: Ática, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5016/camine.v10i2.2663


CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons