CURSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES SOBRE SURDEZ EM UMA DIRETORIA DE ENSINO DO INTERIOR PAULISTA

Aline Crociari, Luci Pastor Manzoli

Resumo


A partir da LDB 9.394/96, que garante um ensino inclusivo com igualdade de condições, permanência e aprendizagem para todos os alunos, novos documentos  surgiram como a Lei 10.436/2002,  garantindo às pessoas com surdez o direito ao uso da Língua Brasileira de Sinais – Libras como  meio legal de comunicação e expressão,  necessitando, portanto, a oferta de uma educação bilíngue e capacitação de professores. O objetivo do presente estudo foi analisar as Propostas Pedagógicas dos cursos sobre surdez na formação continuada de professores do ensino fundamental e médio de uma Diretoria de Ensino de uma cidade do interior paulista. O estudo se definiu pela abordagem qualitativa utilizando como fonte de informações a análise documental dos arquivos da área de Educação Especial dessa Diretoria. Os resultados mostraram que foram oferecidos no período de 2003 a 2017, oito (8) cursos sendo 5 denominados Introdução à Língua Brasileira de Sinais- Libras e três (3) referentes a Curso Básico de Libras com uma carga horária de 30 horas teoria/prática, ministrados no período noturno, uma vez por semana durante três meses para um grupo de Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores do Ensino Fundamental e Médio, somando 30 participantes em cada curso. Denotou-se uma insuficiência dos cursos voltados para essa área, destacando como pontos positivos a utilização de referenciais teóricos de grande reconhecimento, bem como uma série de materiais ilustrados para conduzir as aulas num contexto de dinamicidade visando reflexões sobre a perspectiva bilíngue na escola inclusiva.


Palavras-chave


surdez; inclusão escolar; formação continuada de professores

Referências


AGUA, S. V. N. L.; PERINELLI NETO, H. (org.). Formação docente: diálogos convergentes. São José do Rio Preto: HN, 2012.

BRASIL. Assembleia Nacional Constituinte. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal/ Secretaria Especial de Editorações e Publicações, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.394, de 23 de dezembro de 1996: fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares: estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Ensino de língua portuguesa para surdos, caminhos para a prática pedagógica. Brasília, DF, 2004. v. 1-2.

BRASIL. Decreto n. 5.626, 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23, dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 3 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Saberes e Práticas da Inclusão. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, DF, 2006. (Caderno do coordenador e do formador).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB n. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Políticos-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília, DF: Câmara dos Deputados: Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Lei n. 13.146, de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: set. 2017.

CANDAU, V. M. F. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. (org.). Formação de professores: tendências atuais. São Carlos: EdUFSCar, 2003.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A.; GERALDI, J. W. Educação continuada: a política da descontinuidade. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 20, n. 66, p. 202-219, dez. 1999.

FUSARI, J. C.; FRANCO, A. P. A formação contínua como um dos elementos organizadores do projeto político /pedagógico da escola. In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Formação contínua de professores. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/150934FormaçãoCProf.pdf. Acesso em: 14 mar. 2018.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S.S.; ANDRÉ, M. D. A. Políticas docentes no brasil um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 1997.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia de pesquisas em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LULKIN, S. A. O discurso moderno na educação dos surdos: práticas de controle do corpo e a expressão cultural amordaçada. In: SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2001.

MOURA, M. C. O surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro:

Revinter, 2000.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Relgráfica Artes Gráficas, 2009.

PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: MANTOAN, M. T. E.; PRIETO, R. G.; ARANTES, V. A. (org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

SÃO PAULO (Estado). Deliberação n. 68, de 13 de junho de 2007. Fixa Normas para a Educação de Alunos que Apresentam Necessidades Educacionais Especiais, no sistema Estadual de Ensino. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 19 jul. 2007. Disponível em: http://cape.edunet.sp.gov.br/cape_arquivos/outros_dispositivos.asp. Acesso em: 2018.

SÃO PAULO. Resolução SE 61, de 11 de novembro de 2014. Dispõe sobre a Educação Especial nas unidades escolares da rede estadual de ensino. Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, 12 nov. 2014. Disponível em: http://cape.edunet.sp.gov.br/cape_arquivos/LegislacaoEstaduual/Resolucoes/Resolucao_SE_61_11112014.pdf. Acesso em: 2018.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons