MODELOS DE GESTÃO E ESTRUTURA DA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO

Ivani de Lourdes Marchesi

Resumo


Este artigo relata parte de pesquisa sobre a estrutura da Secretaria Estadual de Educação e possíveis impactos positivos no processo de ensino e de aprendizagem. Elencou como objeto de estudo os Decretos reestruturadores dos últimos trinta anos a saber: Decreto de nº 7510/1976 e 57141 /2011, pluridisciplinarmente com foco maior em aportes da Administração. Consiste em resultados parciais de pesquisa sobre o mesmo tema, ainda em andamento. Os dados foram obtidos de documentos oficiais disponibilizados online, tendo como pano de fundo os resultados obtidos pelo Sistema quando auferidos pelo Instituto de Avaliação Externa do Rendimento de São Paulo (SARESP), único avaliador de resultados cognitivos empregado. Resultados parciais de análise demonstram que os procedimentos estruturadores/reestruturadores denotam permanências de anacronismos em pensamentos e ações envolvendo a gestão educacional estadual como: patrimonialismo, clientelismo, confusão entre posturas técnicas e políticas, ausência de clareza quanto ao estilo de gestão apresentado nos últimos trinta anos pesquisados. Em categoria de mudança, nota-se preocupação de seguir uma linha de estruturação adhocrática, tangenciando as dinâmicas contextuais, contudo, sem clareza. Os estudos realizados, ainda que incipientes, levam a crer, dadas as peculiaridades do Sistema Educacional, e as características gigantescas da Secretaria Estadual de Educação (SEE), que talvez seja o caso em se pensar gestão sob o paradigma da teoria do caos, ainda que esta se apresente em posição emergente e não consolidada; em outras palavras: entregar a gestão em todas as suas dimensões às micro agências implementadoras da Política Pública Educacional- as Diretorias Regionais de Ensino.


Palavras-chave


modelos de gestão; estruturas de gestão educacional, políticas públicas educacionais e ensino aprendizagem

Texto completo:

PDF LIBRAS

Referências


BORBA, Sérgio da Costa. Aspectos do conceito de multirreferencialidade nas ciências e nos cursos de formação. In. BARBOSA, Joaquim Gonçalves. (Org.). Reflexões em torno da abordagem multirreferencial. São Carlos: Ed. USFSCAR, 1998.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

FERREIRA, Victor Claudia P.; CARDOSO, Antonio Semerano V.; CORRÊA, Carlos José et al. Modelos de gestão. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2005.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 25. ed. São Paulo: Graal, 2012.

HOLFLING, Heloisa. Estudo pensamento e criação. Campinas: UNICAMP, 2005.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 1972. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

PRIGOGINE, Ilya. A lei do caos. São Paulo: Fundunesp, 2002.

______. O fim das certezas. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

ROMANELLI, Otaiza de Oliveira. História da educação no Brasil. 26. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

SÃO PAULO. (Estado). Decreto n. 7.510, de 29 de janeiro de 1976. Reorganiza a Secretaria de Estado de Educação. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Palácio dos Bandeirantes, São Paulo: 30 jan. 1976. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

______. Decreto n. 57.141, de 18 de julho de 2011. Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Palácio dos Bandeirantes, São Paulo: 18 jul. 2011. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

______. Lei Complementar n. 1.078, de 17 de dezembro de 2008. Institui Bonificação por Resultados - BR, no âmbito da Secretaria da Educação. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Palácio dos Bandeirantes, São Paulo: 17 dez. 2008. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

SARESP. Boletins e resultados: rede estadual. [2018]. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2018.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons