GESTÃO EDUCACIONAL EM PERNAMBUCO E OS IMPACTOS NA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

Luiz Alberto Ribeiro Rodrigues

Resumo


Este estudo objetivou situar as configurações da gestão educacional no Estado de Pernambuco, seus impactos na organização do trabalho pedagógico e na concepção de qualidade da educação. Na metodologia utilizou-se da abordagem cognitiva de política pública (Muller & Surel, 2002), e da teoria de discurso e de análise de discurso em Norman Fairclough (2001). Foram examidas a relação do Programa de Modernização da Gestão Pública na Educação, associado à política recompensa (BDE), com o discurso dos profissionais da educação. Compreende-se que é essencial à escola desenvolver uma posição política em favor de sua autonomia na organização de prática pedagógica, de modo a pensar a si própria, na sua missão social e na sua organização. (ALARCÃO, 2001). Além disso, o debate em torno da qualidade da educação, inclui variáveis intervenientes, condicionados a recursos escolares; organização e gestão da escola; clima acadêmico; formação e salário docente e ênfase pedagógica (FRANCO e BONAMINO, 2003). Na escuta dos profissionais da educação foi observado que a organização pedagógica mudou em função dos projetos financiados pelo PDE, voltados à melhoria do desempenho dos estudantes. Foi observado ainda, que a compreensão da qualidade da educação vem sendo atribuída ao resultado da gestão da política e a adequação das escolas ao sistema regulado. O discurso dos profissionais da educação se aproxima da conformação aos princípios educacionais propostos pelo gerencialíssimo da atual política, embora que, monitoramento e recompensa, estimulada pelos técnicos do Banco Mundial, é uma tendência em franco declínio no mundo.


Palavras-chave


Política de gestão educacional; Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE); Organização pedagógica.

Referências


ALARÇAO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo. Cortez Editora, 2001.

BRESSER PEREIRA, L. C. Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. Ed. 34. Brasília: ENAP, 2002.

DOURADO, Luiz Fernandes. Plano Nacional de Educação: o epicentro das políticas de estado para a educação brasileira. Goiânia. Editora da Imprensa Universitária. ANPAE, 2017. 216 págs. ISBN: 978-85-93380-18-1

FIORI, J. L. O poder global e a geopolítica das nações. São Paulo: Boi tempo editorial, 2007.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Coord. de tradução: Izabel Magalhães. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2001.

FRANCO, C.; BONAMINO, A. Avaliação e política educacional: o processo de institucionalização do SAEB. Departamento de Educação. PUC - RJ, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n108/a05n108.pdf; Acessado em 25.05.2018.

LORDÊLO, J.A.C. Publicização da gestão escolar: descentralização radical, privatização ou desresponzabilização do Estado. Porto Alegre: Revista Brasileira de Política e Administração da Educação: ANPAE, vol, 17, n. 2, jul dez. 2001.

MULLER, Pierre & SUREL, Yves. A análise das políticas públicas. Tradução de Agemir Bavaresco e Alceu Ferraro. Pelotas: Educar, 2002.

PERNAMBUCO. Decreto Nº 38.103, de 25 de abril de 2012. Recife, 2012.

PERNAMBUCO. Programa de Modernização da Gestão Pública. Metas para a educação. 2008. Disponível em: www.educacao.pe.gov.br. Acesso em: 10 de outubro de 2013.

RODRIGUES, L. A. R. Políticas de gestão escolar. Uma análise do plano de desenvolvimento da escola na região da Mata Norte de Pernambuco (1999- 2007). EDUPE, Recife, 2013.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons