O LUGAR DA AGRICULTURA FAMILIAR CAMPONESA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA ESCOLA DO CAMPO

Raimunda Alves Melo, Tiago Célio de Sousa Leite Sousa Leite

Resumo


O objetivo geral do estudo foi analisar como o ensino de Ciências Naturais desenvolvido na Escola Família Agrícola de Baixão do Carlos contempla práticas e conhecimentos sobre a agricultura familiar camponesa. O estudo foi realizado por meio de pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, por ser esta a que melhor se adequou aos objetivos da investigação. Como instrumento de coleta de dados foi utilizado a entrevista semiestruturada, realizada com a professora de Ciências. Também, foi feita a análise documental dos livros didáticos e do Projeto Político Pedagógico da Escola. O cenário da pesquisa foi a Escola Família Agrícola de Baixão do Carlos, localizada no município de Teresina (PI). Os resultados apontam que o ensino de Ciências Naturais desenvolvido na Escola Família Agrícola de Baixão do Carlos não contempla práticas e conhecimentos sobre agricultura familiar camponesa, assim como, os livros didáticos da disciplina de Ciências trabalhados nas turmas de 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental também não dispõem de conteúdos sobre esse tema. Os conhecimentos e práticas da agricultura familiar camponesa são trabalhados, exclusivamente, nas disciplinas de Agricultura e Zootecnia ministradas nas turmas de 6° ao 9° ano do Ensino Fundamental. Dessa forma, é necessário desenvolver práticas educativas interdisciplinares, em que as disciplinas obrigatórias sejam trabalhadas articuladas as disciplinas das áreas técnicas, de modo que, os educandos tenham a oportunidade de participar de atividades educativas significativas, que contribuam para articulação da teoria e prática e melhoria da qualidade de vida no campo.


Palavras-chave


Currículo. EFA. Agricultura Familiar Camponesa. Ensino de Ciências.

Texto completo:

PDF LIBRAS

Referências


ALENTEJANO, Paulo. Os conflitos pela terra no Brasil: uma breve análise a partir dos dados sobre ocupações e acampamentos. In: CPT. Conflitos no Campo Brasil 2003. Goiânia: CPT, 2004.

ARROYO, Miguel Gonzales. Imagens quebradas. Petrópolis: Vozes, 2004.

BASSEY, M. Case study research in educational settings. Buckingham e Filadelfia: Open University Press, 1990.

CALDART, R. S. Pedagogia do movimento sem terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

CALDART, Roseli S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: Educação do campo: identidade e políticas públicas – Caderno 4. Brasília: Articulação Nacional “Por Uma Educação Do Campo” 2002.

FLIK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIMONET, Jean-Claude. Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAS. Petrópolis: Vozes, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1989.

MELO, R. A. Prática docente na escola do campo: diálogos sobre a articulação dos conhecimentos escolares aos saberes da cultura camponesa. 2014. 163 f. Dissertação de Mestrado em Educação. UFPI – Universidade Federal do Piauí – Teresina, 2014.

MOREIRA, A.F.B. (Org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 2013.

MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria. Secretaria de Educação Básica (Org.). Currículo, Conhecimento e Cultura: Documento em versão preliminar. 2006.

NASCIMENTO, C. G. A educação camponesa como espaço de resistência e recriação da cultura: um estudo sobre as concepções e práticas educativas da Escola Família Agrícola de Goiás - EFAGO. 2005. 318 p. Dissertação (Mestrado)- Universidade de Campinas, Campinas. 2005.

NEVES, D. P. A agricultura familiar e o claudicante quadro institucional. In: LOPES, E. S. A.; MOTA, D. M.; SILVA, T. E. M. (Orgs.). Ensaios: desenvolvimento rural e transformações na agricultura. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, Universidade Federal de Sergipe, 2012, p. 133-159.

PIMENTEL, M. Comunica TEC: Tecnologias de Comunicação para Educação e Colaboração. In: SBSI 2006, 2006, Curitiba, PR. III Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação. Curitiba, PR : SBC, 2007.

QUEIROZ, S. L. Do fazer ao compreender ciências: reflexões sobre o aprendizado de alunos de iniciação científica em química. Ciência & Educação, Bauru, v. 10, n. 1, 2004.

RIBEIRO, Marlene. Movimento Camponês, Trabalho e Educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SANTOS, C. A. dos, (Org.) Por uma educação do campo: campo, políticas públicas e educação. Brasília, DF: INCRA, MDA, 2008.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA, J. E. Delimitando a agricultura familiar. Reforma Agrária, v. 25, n. 2-3, p.128-141, mai-dez. 1995.

WANDERLEY, M. N. B. A agricultura familiar no Brasil: um espaço em construção. Reforma Agrária, v. 25, n. 2-3, p. 37-57, maio a dez. 1995.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons