O PAPEL DAS GESTORAS DE UMA ESCOLA FRENTE À ENFERMIDADE DE UM ALUNO COM ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO

Angélica Regina Schmengler, Sílvia Maria de Oliveira Pavão

Resumo


Este estudo disserta sobre a atuação de professores gestores na sociedade atual. Dessa forma, a escrita teve como objetivo descrever o papel desenvolvido pela equipe gestora de uma escola da rede regular de ensino de um município do interior do Rio Grande do Sul, em relação a um aluno em tratamento de saúde, que apresenta Altas habilidades/Superdotação. A pesquisa delimitou-se como qualitativa, do tipo estudo de caso, e foi realizada por meio de observação e de entrevistas semiestruturadas com a equipe gestora da referida escola: diretora, vice-diretora e supervisora, bem como com a mãe do aluno Público-alvo da Educação Especial. Em relação aos achados, realizou-se uma análise qualitativa, referenciada por meio de teóricos e da legislação que discorrem sobre o assunto (LÜCK, 2006; LIBÂNEO, OLIVEIRA, TOSCHI, 2005; BRASIL, 2002; BRASIL, 2008). Verificou-se que as gestoras buscaram saber a respeito do tratamento de saúde do menino, questionando a mãe acerca do diagnóstico. Quanto às questões pedagógicas, a equipe gestora buscou informar os professores sobre a situação do adolescente, assim como, encaminharam o material pedagógico para o aluno realizar de maneira domiciliar. As gestoras procuraram desenvolver um bom papel diante da realidade vivenciada, porém, conforme as próprias entrevistadas, faltaram conhecimentos e maior disponibilidade de tempo para atender, de forma mais significativa, às necessidades do aluno.


Palavras-chave


Professores Gestores. Altas Habilidades/Superdotação. Enfermidade. Escola.

Texto completo:

PDF LIBRAS

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 4.024/61. Brasília, 1961.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 5692/71. Brasília, 1971.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96. Brasília, 1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Saúde/Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 284p.

BRASIL. Ministério da Educação. Classe Hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC; SEESP, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, MEC; SEESP, 2008.

BRASIL. Plano Nacional de Educação - Lei nº 10.172. Brasília: Ministério da Educação, 2001a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 17 de 3 de julho de 2001. Brasília: 2001b.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2 de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: 2001c.

BORDIGNON, G.; GRACINDO R. V. Gestão da Educação: O Município e a Escola. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. da S. (Org.) Gestão da Educação: Impasses, perspectivas e compromissos. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2005.

LÜCK, Heloísa. Gestão Educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

NEGRINI, Tatiane. A gestão educacional em uma escola pública: analisando o atendimento aos alunos com altas habilidades/superdotação. 2007. 97 f. (Especialização em Gestão Educacional) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Ana Thorell – 4. ed. – Porto Alegre: Bookman, 2010.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons