AS TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: IMPLICAÇÕES E POSSIBILIDADES

Rosimeire Aparecida Soares Borges, Leidiane de Oliveira Maximiano, Bárbara Marianne Maduro, Daniela Coutinho Pereira Alves de Azevedo, Dimas Dias de Araújo

Resumo


O presente artigo tem por objeto apresentar sobre possibilidades de uso das tecnologias digitais de informação e comunicação nas aulas, seus benefícios e suas implicações, tanto no ensino de alunos com algum tipo de necessidade, como as mudanças que trouxe ao ensino básico e superior. As tecnologias possibilitam inovações no processo de ensino e de aprendizagem em salas de aula e nos ambientes virtuais de aprendizagem no ensino presencial e a distância, uma forma dinâmica e adaptável ao estilo de vida moderno. Para vivenciar amplamente esse ambiente tecnológico, serão necessários múltiplos letramentos, a começar pelo letramento digital que propicia a busca de informações em diferentes fontes e, desse modo, atingir o letramento informacional o qual se torna fundamental para o desenvolvimento pleno nestes tempos líquidos.


Palavras-chave


Tecnologias na Educação; Desafios; Possibilidades

Referências


AZEVEDO, I. C. M.; GASQUE, K. C. G. D. Contribuições dos letramentos digital e informacional na sociedade contemporânea. TransInformação, Campinas, v. 29, n. 2, p. 163-173, maio/ago. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2318-08892017000200004. Acesso em: fev. 2018.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo: Penso, 2015.

BASÍLIO, M. P. Tempos líquidos. Sociologias, Porto Alegre, n. 23, p. 438-450, jan./abr. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222010000100016. Acesso em: 27 nov. 2018.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF, 1998.

BRASIL. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 22 abr. 2017.

CARR, N. A geração superficial: o que a Internet está fazendo com os nossos cérebros. Rio de Janeiro: Agir, 2011.

CARVALHO, L. A. Tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC’s) e a sala de aula. Perspectivas Online: Humanas e Sociais Aplicadas, Campos dos Goytacazes, v. 6, n. 17, p. 22-30, ago. 2016.

CORRÊA, H. T.; DIAS, D. R. Multiletramentos e usos das tecnologias digitais da informação e comunicação com alunos de cursos técnicos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 55, n. 2, p. 241-262, maio/ago. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/010318134964176471 Acesso em: 27 nov. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

JESUS, P. M.; GROSSI,M. G. R. O uso de tecnologias digitais de informação e comunicação na educação de pessoas com deficiência. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 15, n. 2, p. 91-109, jul./dez. 2016.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MANTOAN, M.T.E. Interatividade virtual e presencial na construção de conhecimentos de professores e alunos da escola fundamental - um estudo exploratório. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, n. 7, p. 52-57, jul. 2012. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/423. Acesso em: 27 nov. 2018

MELLO, S. F. M. Comunicação e organizações na sociedade em rede: novas tensões, mediações e paradigmas. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

NASCIMENTO, F. E. M.; SILVA, D. G. Educação mediada por tecnologia: inovações no processo de ensino e aprendizagem - uma revisão integrativa. Abakos, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 72-91, maio 2018.

OLIVEIRA, C. D.; SILVEIRA, R. A. Avaliação do uso das ferramentas tecnológicas em ambientes virtuais de ensino e aprendizagem em educação a distância: Um estudo de caso do e-tec/cefet-mg. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 11., 2014, Florianópolis. Anais .... Florianópolis: UFSC, 2014. Disponível em: http://esud2014.nute.ufsc.br/anais-esud2014/files/pdf/127358.pdf. Acesso em: 7 set. 2016.

SCHERER, S.; BRITO, G. S. Educação a distância: possibilidades e desafios para a aprendizagem cooperativa em ambientes virtuais de aprendizagem. Educar em Revista, Curitiba, ed. esp. 4, p. 53-77, 2014.

SILVA, M. L. A urgência do tempo: novas tecnologias e educação contemporânea. In: SILVA, M. L. (org.). Novas tecnologias: educação e sociedade na era da informática. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOUSA, R. P.; MIOTA, F. M. C. S. C.; CARVALHO, A. B. G. (org.). Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011. Disponível em: http://books.scielo.org/id/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247-01.pdf. Acesso em: 27 nov. 2018.

UNESCO. Professores do Brasil: impasses e desafios. Coordenado por Bernadete Angelina Gatti e Elba Siqueira de Sá Barreto. Brasília, DF, 2009.

VALENTE, J. A. Blended Learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, ed. esp. 4, p. 79-97, 2014.

VALENTE, J. A. Aprendizagem ativa e o futuro da informática na educação: pensando em 2040. Fortaleza, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?reload=9&v=syByyCxmNLA. Acesso em: 27 nov. 2018.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons