Mobilidade pendular, território e multiterritorialidade na educação superior no Brasil

Verdi Kenedy Alexandrino, Mauro Augusto Santos

Resumo


No Brasil, o acesso ao ensino superior aumentou consideravelmente nas últimas décadas, abarcando novos segmentos da sociedade não alcançados até então. Se antes era necessário que uma parte considerável da população migrasse para as capitais e grandes centros urbanos para cursar o ensino superior, agora, com o gradual processo de interiorização das instituições de ensino superior, tornou-se possível graduar-se sem a necessidade de abandonar o município de residência. O deslocamento cotidiano entre o município de residência e o município onde estudam – chamado de movimento pendular – faz com que esses indivíduos transitem por diferentes territórios. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é discutir a mobilidade pendular na educação superior a partir dos conceitos de território e multiterritorialidade. Buscou-se evidenciar a necessidade de se compreender melhor as inter-relações culturais, sociais e pessoais vividas pelos estudantes que interagem nos territórios-zonas, assim como observar as ações político-administrativas ligados às relações de poder que a pós-modernidade trouxe aliada à mobilidade social. 


Palavras-chave


educação superior; movimento pendular; território; multiterritorialidade

Texto completo:

PDF LIBRAS

Referências


BAENINGER. Redistribución espacial de la población: características y tendencias de caso brasileño. Notas de Población, Santiago de Chile, ano 35, n.65, 1997.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação e contradição. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CINTRA, A.; DELGADO, P.; MOURA, R. Movimentos pendulares no Paraná. Caderno IPARDES: Estudos e Pesquisas, Curitiba, v.2, n.2, p.15-31, ago./dez. 2012.

EMMEL, A. Mobilidade e territorialidade: análise dos deslocamentos pendulares no arranjo populacional de Santa Cruz do Sul (RS). 2016. 134 f. Dissertação (mestrado), Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2016.

GOULART, Í. B.; MACEDO, R. Z. Estratégias adotadas pelas instituições de ensino superior da rede privada de Minas Gerais face as transformações no início do século XXI. In: Colóquio Internacional de Gestão Universitária, 14, 2014, Santa Catarina. Anais do XIV Colóquio Internacional de Gestão Universitária. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

GOTTMANN, J. The evolution of the concept of territory. Social Science Information, v. 14, n. 3/4, p. 29-47, 1975.

HAESBAERT, R. Da desterritorialização à multiterritorialidade. Anais do IX

Encontro Nacional da ANPUR. Vol. 3. Rio de Janeiro: ANPUR, 2001.

HAESBAERT, R. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. Porto Alegre, 2004. Disponível em . Acesso em 16 set. 2016.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

HAESBAERT, R. Os dilemas da globalização-fragmentação. In: HAESBAERT, R. (Org.). Globalização e fragmentação no mundo contemporâneo. 2. ed. Niterói: Editora da UFF, 2013. p. 11-53.

MELCHIOR, L. Redes Sociais e migrações Laborais: múltiplas territorialidades. A

Constituição da rede nipo-brasileira em Ourinhos (SP) e no Japão. 2008. 225 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2008.

MOURA, R.; CASTELLO BRANCO, M. L. G.; FIRKOWSKI, O. L. C. F. Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 19, n. 4, p. 121-133, 2005.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

RIEDER, A. A interiorização da educação superior no Brasil: caso de Mato Grosso. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, Florianópolis, v. 4, n. 3, p.228-247, p. 228-247, 2011.

SANTOS, M. et al. O papel ativo da Geografia: um manifesto. Florianópolis: XII

Encontro Nacional de Geógrafos, 2000.

SAQUET, M. A. Abordagens e Concepções de Território. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 200 p.

SILVA, E. T.; RODRIGUES, J. M. Algumas dimensões da mobilidade espacial no território metropolitano. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 14, 2011. Rio de Janeiro. Anais do XIV Encontro Nacional da Anpur. Rio de Janeiro, Anpur, 2011, p. 1-20.

SOUZA, M. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná E. de et al (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

STAMM, C.; STADUTO, J. A. R. Movimentos pendulares das cidades interioranas de porte médio de Cascavel e Toledo, no Paraná. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo , v. 25, n. 1, p. 131-149, 2008 .

VASCONCELLOS, E. A. Transporte urbano, espaço e equidade – Análise das políticas públicas. São Paulo: Editora Annablume, 2001.





CAMINE: Cam. Educ. = CAMINE: Ways Educ., Franca, SP, Brasil - eISSN 2175-4217 - está licenciada sob Licença Creative Commons